3


Não li os livros da Saga Crepúsculo, mas considero o argumento muito interessante, independentemente de vampiros, lobisomens e afins. É rica de melancólicos conflitos a impossibilidade de duas pessoas que se amam ficarem juntas. Rende boas estórias de ficção e lágrimas na vida real, não importa por qual motivo isso aconteça. A distância, sentimentos latentes por algum ex, falta de coragem de assumir um compromisso, uma doença etc. Mas ninguém me convence de que as adaptações da saga para o cinema - Crepúsculo (2008) e Lua Nova (2009) - são outra coisa senão romances bobos e superficiais, permeados por algumas cenas de ação. A única coisa que se salva, nos dois filmes, é a trilha sonora.         

Fato é que a falta de qualidade dos roteiros e, principalmente, a escolha dos atores, foram determinados pelo direcionamento ao público alvo adolescente, que exige entretenimento e diversão, em vez de reflexão, gasta muito dinheiro com produtos atrelados aos filmes, financiam vida longa à franquia e, o essencial: garantem o sucesso comercial da obra, objetivo muito maior aos grandes estúdios, salvo raríssimas exceções, do que a expressão artística. Por saber que Lembranças tem como protagonista o ator que interpreta o apático vampiro Edward Cullen (Robert Pattinson), confesso que fui para a sessão vestido da armadura do preconceito e esperando outra obra boba e superficial.

Mas, logo nos minutos iniciais do longa, me despi da armadura e entrei no clima denso de LembrançasAlly (Emilie de Ravin, a Claire de Lost) é filha do policial Neil Craig (Chris Cooper, ótimo como sempre), que prende Tyler (Robert Pattinson) e seu melhor amigo, o desajustado Aidan (Tate Ellington) em uma briga de rua. Os garotos têm suas fianças pagas pelo pai de Tyler, o poderoso advogado Charles Hawkins (Pierce Brosnan) e, quando Aidan descobre que Ally estuda na mesma universidade que eles, imediatamente pensa em um plano de vingança. Nada de violência. A ideia é que Tyler se aproxime, a conquiste (entre outras coisas mais... carnais), a trate como uma cadela, e esfregue isso na cara do policial. 




Nem preciso dizer que os dois se apaixonam, mas é na forma como eles se conhecem que mora o único defeito do filme. É mais que clichê ver um cara se aproximar de uma menina por algo nem um pouco sublime, como uma aposta, por exemplo. Em determinado momento, ela vai descobrir a verdade e ele fará de tudo para provar que seu amor é verdadeiro. Se vai dar certo ou não, no caso de Tyler e Ally, será consequência de complexas relações familiares. Eles têm em comum a perda de entes queridos. A mãe de Ally foi assassinada na sua frente, quando ela era apenas uma criança, e o irmão de Tyler cometeu suicídio com apenas 22 anos.

Estes trágicos eventos mudaram as estruturas e abalaram a relação das famílias. Ally vive apenas com seu pai, que se tornou extremamente protetor. Já o pai de Tyler é ausente e mal fala com sua filha, o que desperta a ira do rapaz. Além de se aprofundar na forma como famílias lidam com a perda de pessoas amadas, o filme também aborda, com competência, um tema delicado: o bullying. A irmã de Tyler tem dons artísticos e é diferente das meninas comuns de sua escola. Apenas por isso, ela passa a ser alvo de brincadeiras de mau gosto e violência física. Tyler, em alguns momentos, se vê obrigado a agir como se fosse o pai da garota.

Citei a Saga Crepúsculo na introdução da resenha, pois o simples fato de Robert Pattinson (que me surpreendeu com uma boa atuação) encabeçar o elenco de Lembranças vai fazer com que uma multidão de adolescentes veja este belíssimo filme. Este sim trata o amor, não só entre homem e mulher, mas entre familiares e amigos, com a devida profundidade que o tema exige. Lembranças é um longa carregado de melancolia. O filme se passa entre 1991 e 2001. A cena final acontece no dia da armação estadunidense, digo, do atentado às Torres Gêmeas, que é mostrado com sutileza, de uma forma diferente, refletindo todo o sentimento dos personagens. A perda, mais cedo ou mais tarde, é inevitável

Lembranças (Remember Me) - 128 min
EUA - 2010
Direção: Allen Coulter
Roteiro: Will Fetters
Com: Robert Pattinson, Emilie de Ravin, Tate Ellington, Caitlyn Rund, Chris Cooper, Pierce Brosnan, Lena Olin, Gregory Jbara, Ruby Jerens



Por: Mattheus Rocha

* Este post também foi publicado no Portal Plus TV

Postar um comentário

  1. ótimo post. Vou dar até um crédito pro filme depois do que li.

    ResponderExcluir
  2. se tem o cara do crepúsculo eu não vejo! hehe

    ResponderExcluir
  3. Assisti ao filme e tenho que dizer que o final vale o ingresso!
    A cena em que a irmã chora ao sair da escola me emocionou também!!!

    Vale o ingresso...

    ResponderExcluir

 
Top