9


Duas Indicações ao Oscar: Filme, Roteiro Original

Sabe quando você termina de ver um filme e não sabe se gostou ou não? Com Um Homem Sério foi assim. Mesmo mantendo seu característico humor negro e nonsense intacto, parece que os Irmãos Coen estão perdendo a forma, alterando obras geniais, ou, pelo menos, divertidas - O Grande Lebowski (1998), E Aí, Meu Irmão, Cadê Você (2000), O Homem que Não Estava Lá (2001), Queime Depois de Ler (2008) -, com outras que passam longe disso - Matadores de Velhinha (2004) e o superestimado e péssimo Onde os Fracos Não Têm Vez (2007), que ganhou o Oscar de melhor filme. Mais uma da Academia que não consigo entender. Num ano em que concorriam Sangue Negro e Juno, os fortes é que não tiveram vez. 

Não consigo classificar Um Homem Sério simplesmente como um filme bom ou ruim. Ele apenas não engrena em nenhum momento. Parece aquele relacionamento que, mesmo sendo bom, nunca evolui pra um namoro. Sabe como é? Mesmo sendo legal, não sai das primeiras marchas, não encontra aquela reta interminável e você não sente o vento no rosto. Tecnicamente é impecável. Fotografia, montagem, atuações... tudo perfeitinho. Mas é vazio. Se bem que, talvez, esta ausência de algo a mais tenha sido proposital, para retratar a inércia da vida de Larry Gopnik (Michael Stuhlbarg), um judeu praticante, professor de física, marido e pai de família. 

O longa se passa nos EUA, no fim da década de 60, e a reconstituição de época é muito competente, com seus carros, roupas, objetos, subúrbios e personagens. Larry entra em desespero quando sua esposa anuncia que quer se separar, pois pretende se casar com Sy Ableman (Fred Melamed), um conhecido seu. Busca conforto e respostas com os rabinos, mas não encontra nada. Apenas aflição. A crítica à religião, e seus representantes, é evidente. Mesmo retratando o judaísmo, poderíamos transpor os conflitos entre o personagem principal e os rabinos ao catolicismo, protestantismo, islamismo etc. O Blogueiro até recomenda, por ser um Irmãos Coen, mas com moderação.

Um Homem Sério (A Serious Man) - 106 min
EUA, Reino Unido, França - 2009
Direção: Ethan Coen, Joel Coen
Roteiro: Ethan Coen, Joel Coen
Com: Michael Stuhlbarg, Richard Kind, Fred Melamed, Sari Lennick, Aaron Wolff



Por: Mattheus Rocha

Postar um comentário

  1. Achei um grande fail dos irmãos Coen. Esperava algo no estilo Queime Depois de Ler, mas não foi o caso...

    ResponderExcluir
  2. o texto ta otimo
    o filme me parecer realmente legal
    primeira vez que entro aqui e ja favoritei xD

    ResponderExcluir
  3. Parece ser um filme interessante ;)
    Entendi o que voce quis dizer com 'Parece aquele relacionamento que, mesmo sendo bom, nunca evolui pra um namoro.' os filmes dessa época retratam isso, pelo menos eu sempre faço comparações ..

    http://gleerika.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Como um filme que tem como personagem principal um JUDEU conseguirá ser interessante? ¬¬
    Não vai engrenar nunca mesmo!

    ResponderExcluir
  5. Eu botava fé neste filme. Pensei que seria uma boa. Mas, pelo seu texto, duvido que me agrade. Talvez eu veja de curiosidade porque a vontade deixou de existir ao final de sua competente e boa resenha.

    Em resposta a Gutt e Ariane, digo que Bastardos Inglórios é um filme muito interessante e tem como ator principal um judeu (Brad Pitt) num papel engraçado, muito embora o coronel nazista Hans Landa esteja impecável.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  6. Pois é, dos filmes que estão concorrendo ao Oscar esse é um dos poucos que ainda não vi, mas sendo dos irmãos Cohen meio que vc já imagina "o que vem por aí"

    Mas realmente neste Oscar eu não entendi muito bem a escolha da academia para várias indicações...vai saber neh!

    muito bacana o post. XD
    visita o CinestudiO: XD
    http://studiocine.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Eu não consigo gostar dos filmes que os Coen fazem nesse estilo aí....

    ResponderExcluir
  8. Nunca vi o filme, mas deve ser bem intrigante, em não se definir, BOM ou NÃO? haha. adorei sua crítica.

    ResponderExcluir
  9. Bom, um filme que não é nem bom nem ruim? É no mínimo peculiar! Concordo com vc qdo diz que pode ser intencional, o estilo francês é parecido: só tem nexo qdo vc remói depois, digere depois, entende? Chega a ser chato, maaaas cada filme tem uma mensagem e sua forma de transmitir, por mais péssimo que seja! ;)
    Abc

    ResponderExcluir

 
Top