15


Duas Indicações ao Oscar: Direção de Arte, Trilha Sonora

Até hoje tenho um exemplar do livro O Enigma da Pirâmide (adaptado para o cinema em 1985), um dos meus preferidos de infância. A obra responde à pergunta: e se Sherlock e Watson tivessem se conhecido na adolescência? Meu único outro contato literário com as aventuras da dupla foi em O Xangô de Baker Street, de Jô Soares (adaptado para o cinema em 2001), no qual o detetive desembarca no Brasil para investigar o roubo de um violino. Mas Sherlock Holmes é um personagem tão popular, que, mesmo quem nunca leu os livros de Arthur Conan Doyle, conhece de cor e salteado seus trejeitos e talentos, além de seu fiel escudeiro, Dr. Watson

Robert Downey Jr. encarna com perfeição um Sherlock Holmes tão fanfarrão e carismático quanto o Jack Sparrow de Johnny Depp. Não é à toa que ganhou o Globo de Ouro de melhor ator (comédia ou musical) - apesar do filme não ser comédia (é uma aventura, com pegada cômica), nem musical. Este Sherlock moderno (com algumas características diferentes das descritas nos livros) é ágil, rabugento, workaholic - não consegue ficar muito tempo sem um caso para investigar -, inteligentíssimo - suas deduções, como gosta de falar, nunca falham - e excelente lutador. As cenas em que planeja que golpes aplicar, baseado nas observações que faz de seus oponentes, são visualmente espetaculares. Créditos ao estilo inconfundível do diretor Guy Ritchie. Seu único ponto fraco é Irene Adler (Rachel McAdams), uma ex namorada. Fora isso, nada o abala.

A química com Jude Law (Dr. Watson) funciona muito bem, mas me parece que os produtores quiseram incitar uma possível conotação homossexual à relação de amizade, talvez para render uma polêmica (quem não se lembra da discussão que Sam e Frodo provocaram entre os fãs de O Senhor dos Anéis?). Não é preconceito ou mera suposição, como alguns têm falado. É fato. Em diversas cenas, um possível sentimento maior que amizade deixa de ser implícito. Parece mesmo haver um desejo reprimido entre os dois. Quando Sherlock Watson com sua noiva (Kelly Reilly, uma das piores pretensas atrizes que já vi tentar atuar), a tensão é evidente.

A reconstituição da Londres do século XIX, com suas cores frias e tons cinzentos, cuidadosamente, dão um tom sombrio ao  enredo sobrenatural. Sherlock e Watson investigam a provável ressurreição de Lorde Blackwood, um praticante de magia negra, que, entre rituais macabros e misteriosos assassinatos, tem um plano para... dominar o mundo. É aí que a trama peca. Na motivação do antagonista, idiota e banal. Dominar o mundo só é legal em Pink & O Cérebro. A partir deste ponto, não é possível levar o filme a sério. O negócio é relaxar e se divertir.

A estrutura complexa do mistério de Lorde Blackwood é desvendada por Sherlock como naqueles filmes de ação, nos quais o vilão prende o mocinho, ou a mocinha, e revela seus planos maquiavélicos, antes de ser impedido por um salvador da pátria. Mas, neste caso, ao inverso. É o mocinho quem proclama o monólogo redentor. Sherlock é tão sarcástico, que, mesmo sabendo de tudo, preferiu guardar os segredos para si, até despejá-los de uma só vez. Ele gosta disso. Seu maior prazer é desvendar mistérios. Sherlock Holmes não é um grande filme, mas é daqueles com diversão garantida. E vem sequência por aí.

Sherlock Holmes (Sherlock Holmes) - 128 min
EUA, Inglaterra - 2009
Direção: Guy Ritchie
Roteiro: Michael Robert Johnson, Anthony Peckham, Simon Kinberg
Com: Robert Downey Jr., Jude Law, Rachel McAdams, Mark Strong, Eddie Marsan, Mary Morstan

Por: Mattheus Rocha

Postar um comentário

  1. Também achei uma pena aquela coisa toda de vilão que quer dominar o mundo. Sai do cinema falando "Nossa, que coisa mais Lex Lutor!". Não precisava disso, enfim...
    Achei que houve um excesso de ação, o que cansou um pouco. Preferia que tivesse mais jogos de palavras e humor que toda aquela correria. Mas concordo contigo quanto à sequência de lutas planejadas por Sherlock. Maneiríssimo!
    Discordo da conotação gay que supõe-se ter no filme. Qualquer um que veja "Eu te amo, cara" pode se lembrar que amizades masculinas podem gerar ciúme como as amizades entre mulheres e ninguém chama mulher de lésbica por causa disso. Sherlock se vê ameaçado de perder seu "parceiro no crime", afinal Watson quer deixar de trabalhar nos casos pra ter uma vida mais pacata. No lugar dele, também me sentiria abandonada. rsrsrs

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Eu ainda não acredito que vi em alguns blogs criticas negativas para Sherlock Holmes, alguns classificando como "Pior filme de 09/10". Pra mim foi um filme fantastico, o Robert fez o papel de Sherlock como nenhum outro ator poderia fazer. Muito bem feito o filme! E ótimo post!
    Abraços
    www.borarir.com

    ResponderExcluir
  3. O Jô Soares tbm criou um Watson boiola, tanto que até uma pombagira baixou nele. O Livro é legal, mas não da pra levar muito a sério.
    Esse novo Sherlok é muito clichê pra um filme só. Da pra se divertir muito, mas é muito clichê.

    ResponderExcluir
  4. Cara, to aqui mais uma vez pra te parabenizar meu blog, tá cada vez melhor, abs!

    ResponderExcluir
  5. Vi esse filme e gostei tbm
    aproveitando que vc gosta de cinema visite meu blog tbm: http://cineclube01.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Bom, como vi o lugar esta rodeado de spoilers.
    Mas parece-me interessante a premissa do filme, e tanto quanto Jude law e o cara do Homem de Ferro são bons atores, gostaria de ve-los atuando junto.
    No mais, Sir conan doyle sempre foi uma bichona enrrustida.

    ResponderExcluir
  7. O filme não possui muito daquele suspense que estamos acostumados a encontrar nos livros de Sir Conan Doyle, porém quando tu acha que está quase desistindo do filme, acontece uma daquelas cenas que te prendem na cadeira de um jeito que mal dá pra respirar, mas logo passa. Então quando estamos quase desistindo de novo, nos deparamos com as tiradas sarcásticas de Sherlock Holmes

    ResponderExcluir
  8. Ainda não assiti ao filme mas amigos meus não recomendaram...disseram-me que não vale o ingresso, filme fraco foi o relatado!

    Gostei da sua resenha, sempre detalhista e com observações fora do normal!

    Parabéns pelo texto e sempre que posso, te prestigio...

    Abraço!

    ResponderExcluir
  9. O que falam da interpretação de Robert Downey Jr. neste filme é unanimidade. São só elogios, tanto que, como você mesmo citou, ele já abocanhou 1 globo de ouro como melhor ator.

    Mattheus, seu texto tá muito rico de informações culturais. Parece um crítico profissional de cinema, amigo. Parabéns!

    Ainda sobre o filme, uma amiga me contou que achou o longa meio 007. Muita ação, coisa que ela acha que não tem muito a ver com Sherlock. Pelo que você escreveu, parece que teve uma impressão parecida, né?

    No mais, espero ver este filme em breve. Depois, quem sabe, consigo fazer um texto tão enriquecedor de informações como o seu.

    Abraço, ídolo!

    ResponderExcluir
  10. infelizmente eu nunca assisti a nenhum dos filmes comentados aqui, mas vou procurar, mais cultura melhor! legal o blog, t+

    ResponderExcluir
  11. Estou louca para ver esse filme! Adoro Sherlock Holmes!!! E os livros são os melhores! hehe... fikdik

    O seu post só me deixou com mais vontade de ver o filme (:


    http://thementalmorfose.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Então.

    Pra mim, o SH de Guy Ritchie não tem muito a ver com o SH dos livros não. Tá mais para um House do sec. XIX.

    Apesar disso e de outros pontos que fogem um pouco do personagem e das histórias de Sir Arthur Conan Doyle, eu gostei do filme. Sem toda essa análise que você fez da obra, admito. Mas como um bom motivo para ir ao cinema e me divertir.

    Alimentando um pouco a polêmica sobre o clima homossexual entre Holmes e Watson... sim, tenho dúvidas sobre a sexualidade do meu detetive/boxeador/violinista favorito. Até porque nos livros não há referência à Irene Adler ou qq outra mulher como uma "namorada". Em um dos livros diz apenas que ele tem uma grande admiração pela inteligência de uma mulher (que não me lembro se é exatamente a srta. Adler)...

    A propósito: ótimo post!

    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Vi este filme, e sem duvida alguma é um BOM filme... Bom filme em um contexto geral, sem olhar o Holmes verdadeiro e suas açoes...
    Como um bom fã de Sherlock Holmes e leitor de praticamente TODAS as obras de Conan Doyle sobre o detetive... Posso afirmar sem duvida alguma que o Holmes do filme nao é o Holmes que conheçemos como detetive nas aventuras dos livros em Londres.
    No filme, Holmes se tornou mais um Dr.House... famoso persnagem da série americana HOUSE do que o detetive que usa APENAS a deduçao na maioria de suas invesigaçoes em vez da força bruta... A força bruta de Holmes é Watson... que apesar de continuar usando a força bruta... nao é o Watson que conheçemos...
    Seu chapeu, sua Lupa, seu cachimbo e sua famosa frase: "Elementar, meu caro Watson" nao foram utilizados... frustanto os fãs do famoso detetive londrino.

    O filme é bom, mais naum é um filme sobre Sherlock Holmes!

    http://ideiasporletras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. A vontade de ver o filme só aumentou depois do post. Eu também assiti o "Enigma da piramide" na Sessão da Tarde quado era pequena e cá entre nós o filme é bacana até hoje. O personagem de Sherlock é clássico o que sempre gera uma tensão quando anunciam uma nova filmagem. Mas acredito no carisma de Robert Downey Jr. que já salvou filmes como o Homem de Ferro, que também vem continuação por ai. Abraços de Jacaré!

    ResponderExcluir
  15. achei o filme maravilhoso. a dupla funcionou muito bem mesmo. mas o destaque pra mim ficou com o ator do Lord Blackwood, que vem aparecendo cada vez mais nos filmes (Rock N Rolla, Rede de Mentiras) e estará no Robin Hood. Adivinha com quem? Robert Downey Jr., esse monstro.

    abraço

    ResponderExcluir

 
Top